Quer ser o primeiro a saber sobre novos conteúdos?

Um ano de espera, e finalmente Endgame está entre nós. Quando eu saí da sessão de Guerra Infinita no ano passado, a contagem regressiva começou… E olha, valeu a pena esperar. Cada segundo foi de espera foi recompensado com 3 horas de 2 minutos de pura ação.

Não preciso dizer aqui o quanto amei o filme, porque abaixo eu vou destrinchá-lo para vocês.

A história conseguiu resolver muito bem compilar todos esse anos de MCU. Desde 2008 com Homem de Ferro a Guerra Infinita, ou até mesmo a cena pós-crédito de Homem Formiga e a Vespa. Aquele início do Clint “vendo” que sua família sumiu com o estalo me abalou logo de cara, e acho que mesmo os que reclamam horrores do Barton dentro do universo dos cinemas, vão sentir o baque da situação, afinal, é uma família se desfazendo.

Nisso, quando eles pulam para os 22 dias pós-estalo, dá pra ver que eles estão seguindo apenas por seguir, tanto que aquela frase do Steve sobre “não saber o que fazer” serve pra todos, e após a derrota que sofreram novamente, dá pra ver no futuro (5 anos depois) que eles não seguiram em frente, mas também não tentaram nada pra não piorar as coisas. O único que está bem é o Stark, porém nós sabemos que ele não digeriu bem a derrota para o titã.

O ritmo parece corrido no começo, mas na minha visão, tal como em Guerra Infinita, o drama ali exigia um clima completamente sem rodeios. Eles perderam e acham uma chance de consertar, mesmo que isso acabe com o passado. Ponto final. Não há discussões aqui, é apenas genial a forma que eles se desenrolam até começarem a viajar no tempo.

Falando de ritmo e tom, é sensacional. Novamente, assim como em Guerra Infinita, tudo ali faz parte do background e isso é o que une os personagens. Muitas das piadas entram em contextos de ser comentários que eles fariam com seus amigos, e os outros meio que não entendem e isso é legal vendo “de fora”. Uma piada ou outra é realmente sem gracinha, mas no geral, o tom do filme sabe dosar o drama, ação e humor, pela primeira vez dando mais atenção ao drama, porque olha, tem tantas cenas pra você ser destruído que dá vontade de abraçar todo o elenco.

Vi umas críticas quanto ao Thor e suas piadas, mas eu discordo. As piadas ruins e comentários fora de tom fazem parte da sua história contada nesse filme. O cara tá destruído e finge que está bem, então fica metralhando coisa sem nexo pra fingir, só que isso o expõe mais. Pode realmente ser imbecil em certos pontos, mas é a história que estão contando com ele.

Quanto a viagem no tempo, sensacional. Confesso que queimei a língua bonito nas vezes que falei sobre isso. Eles não só simplificaram, mas fizeram de forma que nada disso fosse realmente uma saída fácil. A participação do Homem-Formiga pra isso foi excelente, depois de tanto tempo afastado dos filmes da franquia principal, literalmente tudo foi se encaixando.

Eles viajando por partes do MCU, vendo coisas de outros ângulos e fazendo piadinhas simples com isso é genial. As referências a Soldado Invernal naquela cena do elevador, sem contar que eles desenterraram coisas que foram jogadas pra debaixo do tapete, foi genial. Eu ADOREI cada segundo deles no passado, mesmo em uma parte que foi minha ressalva do enredo em si.

Novamente, a Marvel tem um puta crédito aqui por juntar tudo tão bem, principalmente relacionado a tom e coerência de enredo. Eu nunca pensei que aplaudiria um filme logo no ínicio, mas eles fizeram tão bem e tão orgânico que… “Uau“, basicamente.

O arco de vários personagens é maravilhoso, com um ótimo background. Muitos reclamaram que o Thor foi mal feito e tal, mas eu acho que retrataram na realidade como ele lidou com a falha. É uma derrota, e depois de tantos problemas, tudo pesou e ele se deixou abater. Claro que ele arrancou a cabeça do Thanos — o Titã estava enfraquecido? Estava, mas o ponto não é esse —, só que ele percebeu que não o fez se sentir melhor por ter sido “tarde demais”, o que provavelmente só piorou a situação. Isso não significa que ele deixou de ser digno, muito menos que eles só queriam zoar com o personagem, porque o desenvolvimento dele desde 2017 vem sendo o melhor do MCU, e de longe. Apostaria meu pouco dinheiro nisso, inclusive.

Muito se falou da Capitã Marvel também, que o destaque dela foi nulo, só que eu achei condizente com o filme. Primeiro que seria horrível se ela tivesse que carregar a equipe, sendo que literalmente era um trabalho em equipe (mesmo ela não trabalhando bem em uma). E acho que a justificativa dela para sumir foi ótima, afinal, todo lugar precisa de ajuda, e ela não pode perder tempo com uma equipe que não acredita nem neles mesmos.

Ela aparecer na batalha final e ajudar todos eu achei ótimo, ainda mais que ela limpou o campo de batalha. Só que obviamente eu entendi o ponto dos fãs da personagem, o filme vendeu uma coisa e entregou outra. Isso é bem diferente de mudar coisas pra enganar no trailer e gerar surpresas, foi só uma mentira pra levar público ao cinema.

Ainda falando sobre o enredo, eu vou separar aqui dois pontos que eu não gostei, e eles são pontos que reclamo desde Era de Ultron: Hulk/Banner e Natasha/Clint.

Quanto ao Hulk, nunca foi segredo que eu não sou muito fã de como constroem o personagem, chegando a em certos pontos, gostar mais do Hulk do Edward Norton, por mais que o filme seja bem mediano. Não me entendam errado, eu gosto do Mark Ruffalo e da sua entrega com o personagem, mas a Marvel faz uma versão estranha do personagem e logo depois tenta encaixar um drama que na minha visão, é falho.

A solução deles para o Hulk é ruim para mim, acho que além de fazer o púbico casual deixar de gostar do personagem  — afinal, a sua dualidade e problemas de quem está no controle do corpo são o que faz o Banner ser o que ele é  , sem contar que encareceram o filme sem necessidade alguma. Eles já devem poder fazer um filme do personagem, então espero que o façam e finalmente deem um rumo certinho ao Bruce e o Gigante Esmeralda.

Quanto a Natasha e ao Clint, eu nem vou entrar no mérito da cena da joia da alma, porque eu sinto que aquilo é pra representar a situação dos dois, ainda mais da Natasha, que estava destruída com tudo que aconteceu. Meu problema é como eles falaram que o foco seria nos 6 originais e eles colocaram Hulk, Clint e Natasha como um arco só e os outros tiveram suas histórias separadas.

Se tem gente ali que deveria ter feito muito mais pela história, era a Natasha e logo depois o Clint. Eles acompanharam tudo, mesmo quando “a banda” acabou em Guerra Civil, eles seguiram lutando, e ainda mais depois do estalo em Guerra Infinita, cada um sofreu em um âmbito (a Natasha sofreu em dois até). Acho um desrespeito principalmente com a Viúva, que literalmente tá ali desde o Iron Man 2, e provavelmente é a personagem feminina que mais foi enterrada nos filmes, principalmente com aquele romance estúpido com o Banner.

O filme solo dela vem aí, quero ver como vão fazer tudo com essa bomba na mão agora. Por mais que o filme seja no passado/bem antes de Avengers 3 e 4, eles vão ter que se contorcer pra fazer o povo se interessar a ir ao cinema já sabendo o trágico fim da personagem.

São erros que ME incomoda, mas não acho que o filme perca muito por isso, afinal, o final do Clint e Natasha ao menos tem um peso muito significativo ao longa, ainda mais sabendo tudo que vem depois. Só que eu tenho que colocar isso aqui, afinal, eu tô destrinchando o enredo.

Thanos continua genial, desde de Guerra Infinita até o último minuto de Ultimato. Aquele começo onde a versão “atual” dele morre, é muito boa. As suas poucas frases são ótimas, principalmente quando ele diz que é “inevitável”, por ter destruído as joias. Confesso que tive medo quando o mataram, pois achei que teria algum plot twist forçado, mas assim que eles começam a voltar no tempo, eu percebi que as coisas eram melhores do que eu esperava.

Pois bem, então quando parte da equipe está em 2014, o Thanos daquela época descobre toda a jornada dos personagens e começa a sua busca para acabar com eles, seja no seu tempo ou até mesmo no futuro. Eu achei ótimo a dualidade que eles fizeram: O vilão é o mesmo, mas de épocas diferentes: Tanto que de certa forma, o jeito que ele se porta, fala e até mesmo age quando percebe que as coisas serão complicadas te deixa vidrado que o mesmo personagem tem jeitos tão diferentes de se comunicar com o público.

Não tem muito o que dizer, só sentir. Afinal de contas, ele continua genial e provavelmente, o vilão mais bem protegido do MCU.

As cenas de ação são ótimas, até mesmo o CGI é perfeito. Teve uma cena do Thanos que o rosto dele deu uma zoada por 1 frame, mas não é nada demais. Acho que é o primeiro filme do MCU que eu posso falar que os efeitos fazem jus ao hype que eles colocaram. Aquela batalha final é a coisa mais linda que eu já vi em um filme de super-heróis.

Meu problema é o 3D, muito mais pelo óculos da sessão que eu fui. Era uma porcaria, e acostumar foi mais por questões de eu estava mais focado no filme do que em arrumá-lo a cada 2 minutos. Pretendo ver em 2D futuramente, pra ter toda a experiência sem nenhum problema.

Não sou muito de falar sobre cenas específicas, mas de todas as cenas épicas daquela batalha, o Capitão erguendo o Mjölnir é de longe minha cena favorita do MCU, eu juro pra vocês que foi a única cena do filme todo que eu realmente gritei. Usaram o filme certo para fazer esta cena, e a surra que ele dá no Thanos é impagável. Por alguns segundos, eu até pensei que acabaria ali e alguém daria golpe final, e foi até bom não ter sido assim, porque a cena posterior fez o cinema vir abaixo.

A cena do retorno dos heróis que sumiram é linda. Vários portais do Doutor Estranho abrindo e todos saindo por ele, e logo depois vindo TODOS os personagens do MCU para a batalha, é tão emocionante. O Capitão ainda grita “Avante, Vigadores” mesmo que de uma forma diferente, e nossa, aí sim foi ensurdecedor estar naquela sala.

Uma outra cena que vale citar é a que todas as mulheres do MCU se juntam para ajudar a Capitã a levar a Manopla ao Scott Lang. Eu achei essa cena bem melhor que a semelhante do Guerra Infinita, porque nessa realmente havia um motivo para a união. Claro que a outra também foi muito legal, mas essa na minha concepção superou e muito.

Esse é um filme que tem coração, ele faz de tudo para os fãs serem felizes, e isso acontece em vários níveis. Claro que seria muito mais legal se não existissem os babacas dos spoilers, mas ainda sim o filme tem cenas ótimas, que mesmo se você ouvir falar delas, VER faz elas muuuuuuuuuuuuito melhores.

Conclusão

Eu realmente amei o filme, cheguei a chorar em um momento específico. Ele não só cumpre o que promete, como supera as expectativas. Os irmãos Russo falaram que é uma carta de amor aos fãs, e o filme é realmente isso. São 11 anos de histórias passando na sua frente em 3 horas de filme que te faz querer mais e mais cenas. É encantador cada segundo de tela, sem contar os easter eggs, piadinhas e até mesmo em cenas que não deveriam ser nada. Amanhã (27/04) irei assisti-lo novamente, mas dessa vez como um puro fã, que está indo mais uma vez apreciar o que a Marvel apresentou que é um trabalho de longos anos: A Saga do Infinito

É uma sensação estranha ver essa era acabando, afinal, eu vejo desde o Homem de Ferro de 2008. Não pulei um filme e a cada ano que passou, eu fui aproveitando cada vez mais os filmes e sabendo que mesmo quando a hora chegasse, eu não estaria pronto para o seu fim. Talvez a morte do Stark e a aposentadoria do Steve me fez sentir que tudo valeu a pena, mas ainda sim vai ser difícil pensar que não teremos mais interações entre os originais.

Recomendo fortemente todos a assistir, mesmo que você não seja fã do MCU, é um puta acontecimento e mostra mais uma vez que o gênero de super-heróis está vivíssimo e que o futuro pode ser surpreendente.

Deixe seu comentário para Vingadores: Ultimato – Crítica [COM SPOILERS]