Quer ser o primeiro a saber sobre novos conteúdos?

WandaVision é o retorno do Universo Cinematográfico da Marvel na boca do povo: A volta das teorias, dos debates nas redes sociais e principalmente: dos spoilers no twitter.

O ultimo filme com o selo dos heróis da Disney foi Homem Aranha Longe de Casa, em julho de 2019. Já faz praticamente 1 ano e 8 meses sem nenhum conteúdo:

Faz tempo que algum cineasta famoso fala do excesso de filmes de super-herói, ou que os filmes da Marvel não prestam, esse tipo de coisa que acontece sempre quando um novo filme do MCU sai.

Escute nosso ultimo podcast sobre o MCU

E eu mesmo senti falta desse clima, e ao que parece o público também já estava carente e desde o inicio da série brotaram teorias do que realmente se tratava WandaVision.

Enquanto os episódios eram lançados, várias perguntas eram feitas: “será que o vilão é o Mephisto?” “aquele é o livro que faltava em Doutor Estranho?”

Isso tudo porque a série engata alguns ganchos que despertam a curiosidade da galera. Aquela referência que pode ser isso ou aquilo.

Algo semelhante foi feito na trilogia mais recente de Star Wars, quando o JJ Abrams no Despertar da Força colocou diversos “Mistery Boxes” na trama inicial, atiçando a curiosidade e a expectativa do público.

O problema de você brincar com a expectativa do público, é óbvio de que as suas respostas podem não ser a que as pessoas querem

A partir daí há os decepcionados, pessoal que não teve suas expectativas alcançadas. Por isso é bem complicado trabalhar com uma fanbase que exige muito.

Nos primeiros episódios de WandaVision, não tivemos muitas referências sobre o próprio universo criado ao longo dos últimos 13 anos.

Inicialmente a série se tratava basicamente um faz de conta misterioso com uma ótima atuação dos protagonistas: Elizabeth Olsen e Paul Bettamy.

Enquanto se preocupava em prestar uma homenagem à antigas sitcons, mas com alguns detalhes estranhos, a série se permanecia com um bom apego do público.

Aos passos lentos, a trama começou a se desenvolver de vez e gerar novos arcos e aí sim que começaram a pipocar teorias e o verdadeiro debate.

Enquanto o Arco Principal continuava irretocável, o secundário…

WandaVision começou pequeno e foi crescendo ao longo da história, como uma jornada do herói mesmo.

Só que a questão da Jornada do Herói foi totalmente diferenciada e modelada de maneira singular, totalmente diferente de outros filmes.

Pelo menos até a reta final.

O grande problema de WandaVision ao meu ver, foi um final extremamente semelhante em relação à outros filmes: se tornou “um final de poderzinho”: personagens soltando rajadas de energias toda hora.

Durante a duração do MCU, se tornou muito comum nos filmes de origem dos super heróis da Marvel um terceiro ato onde o vilão e o herói (com poderes semelhantes) se enfrentem para sobrar apenas um:

  • Homem de Ferro
  • Homem Formiga
  • O Incrível Hulk
  • Pantera Negra

Essa forma de resolução uma forma de provação para o herói e ser o único digno de seu manto e/ou poder.

Enquanto a série se desvinculava dessa maneira de contar histórias, parecíamos estar imersos em algo totalmente diferente que instiga os fãs à um mar desconhecido.

Mas um tempo depois ela volta à zona de conforto e nos traz de à tona a sua fórmula que já deu muito certo, mas é esperado um pouco mais.

Sem falar que o Arco envolvendo a Espada (não posso dar muitos detalhes) não leva a um lugar muito interessante, apesar de dar algumas respostas e alimentar aquele suspense.

Conclusão

Wandavision começa melhor que termina, ativa nosso nerd curioso interior mas depois entrega respostas que talvez os fãs não gostem.

A série tem sim um apego emocional muito legal, até como foi dito, os atores são muito bons mesmo. Mas essa brincadeira de prometer X e entregar algo emocional Y funciona.

Ela fala de Luto, família, ameça a explorar alguns novos horizontes do Universo Cinematográfico da Marvel… mas parece que faltou um pouco de coragem.

Como bem salienta a crítica do Splash, alguns arcos são melhores do que outros e WandaVision teve um hype muito grande pela “carência” das férias dos filmes da Marvel.

Tal carência foi em parte suprida, mas o resultado poderia ter sido maior se houvesse um pouco mais de pulso firme.

WandaVision se mostrou algo corajoso e experimental e terminou algo família, dramático e já conhecido.

Não é um caminho ruim, mas certamente gera alguns olhares tortos.

Deixe seu comentário para Crítica: WandaVision – Sem Spoilers