Quer ser o primeiro a saber sobre novos conteúdos?

Depois de campanha, xingamentos a versão de cinema do Liga da Justiça, na Comic-Con do ano passado foi anunciado a versão de Zack Snyder para o Liga da Justiça.

Por mais que eu tenha N problemas com a visão do diretor para o DCEU, nada mais justo que ele tenha a chance de mostrar o que ele queria para o filme, ela sendo boa ou ruim.

De antemão, já aviso que o review será um pouco mais longo, pois além do filme ter 4 horas, também citarei acontecimentos da versão de cinema.

E adianto também que muito do que não gosto está presente nas duas versões.

Sobre o enredo de Liga da Justiça

Apesar do cerne do enredo ainda ser o mesmo, eu gostei de como ele foi bem melhor explicado, menos corrido e principalmente, levado mais a sério.

O começo da morte do Superman é muito bom o grito ecoando pelo planeta, mesmo que seja um slow motion, é uma sacada legal pra demonstrar o quanto ele era importante para a humanidade. As mudanças de ordem de algumas cenas e remoções de algumas me deixaram desconfiado no começo, principalmente quando eu vi que a cena da Mulher-Maravilha só tinha uns segundos a mais (e um pouco de violência). E ainda falando de Mulher-Maravilha, acho bem mais legal o papel dela nesse filme do que na outra versão. Tem algumas mudanças sutis, e isso me agradou mais, e isso ficou evidente na minha visão, quando eles discutiram reviver o Superman, e a decisão dela ali foi boa. Mas dessa coisas eu falarei depois, porque entra nas mudanças de enredo.

Uma coisa que faz muito parte do enredo, é o Cyborg. E, meu Deus, como ele foi bem usado nessa versão. É uma das melhores coisas do filme, e nisso eu acho que a Warner perdeu muito em remover do cinema. Ray Fisher faz muito bem o seu papel, e ele adiciona tanto ao filme que bate uma tristeza maior ainda pensar que, além dele, o filme do personagem está na geladeira. O mesmo vale para o Flash, que apesar de sentir faltas de duas cena — que citarei mais tarde —, acho que o contexto diferente, e a adição da cena em que ele salva a Iris, o deixou mais palatável para mim. Sem contar que adicionou mais informação para a cena da prisão.

Batman também, é outro que eu odiei na outra versão, e nessa eu achei sensacional. Apesar de gostar da cena em que ele aparece pela primeira vez no filme, onde ele usa o bandido de isca do parademônio, depois de ver todo filme, nem senti tanta falta assim. A versão dele no filme que foi ao cinema me deixou realmente sem entender nada. Parecia que ele estava medicado, ou que, sei lá, Batman pós-terapia. Horrível, horrível. O mesmo vale para o Aquaman, por mais que ele seja uma questão bem desenvolvida mesmo no outro, aqui eu acho que a adição de cenas e o tom um pouco mais ‘dark’, deixaram o personagem melhor ambientado.

Outra coisa que gosto é o Lobo da Estepe, só de tirarem aquela imbecilidade dele chamar a Caixa Materna de “mãe”, já melhorou 100% o meu ânimo pro desenrolar do filme.

Com o senso de emergência que deram a ele, e com a adição do Darkseid de forma ativa no filme, eu achei um vilão muito bom. A maioria vai comparar ao Thanos, ou sei lá, a qualquer outro vilão que já apareceu em filme blockbuster do gênero, mas ele tem outra pegada, e eu gosto.

Ele é um cavalo, não a cavalaria, e as cenas dele tentando arrumar uma forma de se redimir com seu “mestre”, é perfeita, e realmente dá uma motivação legítima ao vilão. Um comentário pessoal é que estou cansado de sempre o vilão precisar ser o cara que é do mal, mas tem uma história que “””justifica”””. Nos primeiros eu achei legal, só que quando começam a tentar justificar o injustificável, é difícil relevar.


Para não deixar tudo jogado no final, eu vou deixar em tópicos o que eu não gostei nessa versão

Enfiarem o Caçador de Marte em um momento totalmente sem contexto só pra falarem “Olha, tem outro personagem aqui!”. Eu sei que isso foi um ‘teasing’ pra fingir que não ia ser o Superman na cena do trailer lá, mas por favor, né? Podiam ter colocado uma cena melhor. A do final eu realmente gostei, é uma isca muito boa pra um futuro que (provavelmente) nunca veremos.

• A participação da Lois Lane nessa versão. Eu acho as cenas com ela na outra versão bem melhores, e ela parecia. Isso dá pra se conectar no ponto acima: A cena da versão de cinema em que a Martha conversa com ela sobre o Clark, e sobre como estão as coisas é a minha favorita de todo o filme. Eles poderiam ter mantido e removido a piada sexual no fim. É vergonhoso e mata o clima, mas todo aquele clima da cena, é muito bom.

Naquela versão, isso é algo que eu gosto, esse tipo de cena de conversa.

A remoção daquele início com Everybody Knows, eu acho que combinaria demais com a vibe da cena inicial. O filme ter alguns segundos a mais depois de fechar em 4 horas não é um problema.

São QUATRO HORAS de filme, então se nem assim o enredo fosse bem desenvolvido, eu já desistiria na metade. No começo é realmente cansativo, mas depois que ele engrena, você mal sente o tempo passar, ainda mais na parte do epílogo. Na versão que foi ao cinema, na metade do filme eu estava quase não me importando com o filme, pois o senso de urgência era nulo, sem contar as piadas horríveis.

Há piadas nessa versão? Sim, mas é completamente com o contexto do filme, da mesma forma que o MCU faz. São piadas que pro personagem não são piadas, e sim coisas que eles realmente falariam contextualmente. Na versão antiga, basicamente era um show de piadocas.



Agora, citando as cenas em si (o que já entra na ação), para tirar do caminho de uma vez, vou citar algumas cenas que não estavam nessa versão e eu senti falta.


A cena do Flash assinando para entrar na prisão e visitar o pai. Eu acho aquela cena boa, porque ela é prática, e é um humor simples para o personagem. Não acabou com o filme ela não estar, mas eu gosto daquela cena.

Algumas frases do Alfred, como a que ele cita sentir falta de quando as preocupações do Batman (e dele, por consequência) eram mais simples. Ele coloca de uma forma bem legal, e pra mim, naquela versão, o sarcasmo dele era muito bom, e provavelmente uma das melhores coisas do filme.

As cenas que davam mais espaço para a Lois. Mas como já citei acima, não vou desenvolver tanto.

E apesar da “pós-crédito” ser muito boa, pois fala a identidade do Batman, eu preferia mais a da versão do cinema, que deixa um buzz pra Legião do Mal. Provavelmente daria errado? Sim, mas sonhar é legal.

Mas no geral, tirando isso, eu adorei as mudanças que fizeram em todos os aspectos do filme. Um exemplo disso é que a cena do “original” onde a Diana discorda veementemente da ideia de trazer o Superman de volta, e mesmo assim ela tá lá… Eu odeio essa cena. Beleza que ela tá lá “em respeito” ao Clark, mas ainda sim, eu odeio.

Aqui, todos são a favor, e eles mostram toda a ideia do Cyborg pra entrar e como tudo se desenrola. Sem contar que, além disso tudo, o final da batalha PRA MIM, foi muito melhor. Não teve piadoca com BvS, e muito menos tease idiota de coisa que não vai acontecer.

Outra coisa que eu adorei foi que tiraram todo aquele conceito de medo, que na verdade nem é um conceito, porque eles falam isso uma vez no filme, e no final aquilo volta como desculpa de roteiro fraco pra não enterrar de vez o Lobo da Estepe (como se ele já não estivesse). Aquilo de “medo” tem shades de Lanterna Verde, e eu odeio aquele filme. Mas eu gostei que eles ainda insistiram naquilo do pesadelo, e nesses pesadelos — e no epílogo eles mostram bem —, tem as coisas que deixam um ar de Injustice, e até um pouco de Dark Knight. Batman vs. Superman tinha essa vibe, mas aqui eu achei mais legal.

As informações a mais (e com o adicional da violência) fizeram aquele flashback da história das caixas maternas muito interessante. Na primeira versão, eles só fizeram uma cena muito mal montada e é isso. Muita coisa nesse filme mudou de lugar ou só adicionaram segundos de contextualização, e eu achei bem legal. Até a cena da Mulher Maravilha na ordem que colocaram ficou bem mais legal.

Quanto a ação, gostei bastante, não muda muito da versão de cinema, mas a mudança de clima ajuda demais. A adição de violência, com sangue e tal, sem contar que a batalha final ser num cenário bem mais dark, pra combinar com o background de lá, é muito bom.

Tenho duas cenas favoritas, a primeira é Superman com o uniforme preto. A chegada nele na batalha também é boa, não tem piada e nem nada, ele chega e faz o que tem que fazer, que é espancar o vilão. Não tem o que dizer, é rinha de personagem.

A segunda obviamente é a viagem no tempo do Barry. Ele fala disso o filme todo, e quando ele faz, mesmo sendo “simplificado”, é muito bom. E isso já emenda com ele ajudando o Victor, eu fiquei louco. Talvez seja a cena que eu vá dar replay no Youtube direto.

Outros pontos importantes

CGI não me incomodou, apesar de achar que o Cyborg poderia ser melhor, PELO MENOS DESSA VEZ COLOCARAM A MÁSCARA NELE. Eu adoro o jeito que ela aparece, é só uma coisa que ele faz. Os poderes dele também sendo explicados é uma ótima cena, até porque na cabeça dele a gente vê na prática.

Ah, eu tenho que citar também o pesadelo que se passa no Epílogo. Jared Leto é muito bom ali, eles conseguem colocar Piada Mortal, Dark Knight e alguns pedaços de Injustice no meio, e aquilo me prendeu demais. É uma boa forma de antagonizar Batman e Coringa, ainda mais no pesadelo. Tem um pouco de linhas do tempo paralelas ali, mas isso eu acho que não será usado, nem na continuidade normal no DCEU, porque o filme do Flash foi destruído de novo.

Conclusão

Antes de qualquer coisa, só do filme ter saído, já prova que é uma vitória dos fãs, não só os do Snyder, mas de quadrinhos.

É foda acabarem com o filme e ainda cagarem na cabeça do cara. Espero que com isso, talvez vejamos a versão real do Suicide Squad, já que o diretor disse que acabaram com o filme dele, e que o Coringa do Leto era mil vezes melhor.

Talvez seja mentira dele? Talvez, mas seria bom ao menos lançar o filme e deixar o público saber.

Quanto ao filme, gostei muito, mais do que achei que gostaria. Ainda não acho perfeito, ainda acho que o Zack Snyder é superestimado quanto a visão dele do DCEU, e é justamente essa briga imbecil de Marvel e DC que faz os filmes ficarem assim pelo caminho.

Não acho que a culpa é do Joss Whedon também, tanto que metade do filme do cinema ainda é coisa do Snyder, isso tem é cara de Warner, e como ninguém comprou a narrativa, jogaram o cara para a fogueira.

Não acho o filme o melhor de todos, ainda não muda meu Top 3 do universo DC, mas ele com certeza agora tá ali na rabeira. Espero que se continuarem esse filme, com o Darkseid invadindo, que a peteca não caia, afinal, agora que deixaram ganchos, que os façam.



Deixe seu comentário para Crítica: Liga da Justiça de Zack Snyder (COM SPOILERS)