Quer ser o primeiro a saber sobre novos conteúdos?

Meses atrás, em sua entrevista ao Rap Radar, Drake revelou estar trabalhando em um novo projeto e que ele almejava ter um número reduzido de faixas, além de revelar que este teria forte influência do seu álbum de 2013: Nothing Was The Same.

Drake também revelou que entre os nomes confirmados para o projeto estavam Future e Chris Brown. Aparentemente, a espera acabou e Dark Lane Demo Tapes parece ser o projeto ao qual Drake se referia. Neste projeto há uma junção de músicas vazadas, mais músicas lançadas no YouTube/SoundCloud, e algumas músicas inéditas Drake liberou o seu tão esperado projeto.

Confira também: PDcast #18 – The Weeknd e outros Artistas Canadenses 

Um Álbum Pessoal

 

Drake não mentiu quando disse que traria as vibes do Nothing Was The Same para esse álbum, nele vemos por várias vezes o rapper tratando de assuntos pessoais de sua vida/carreira, aos quais ele nunca antes tinha feito.

Um exemplo é a faixa When To Say When (faixa qual Drake já havia falado sobre na entrevista ao Rap Radar) na música Drake fala da mãe de seu filho Adonis (quase dois anos e ainda não superei esse nome), na faixa Drake diz que a ama por quem ela é mas não sem antes insinuar que ela deu uma “jogada de sorte” ao engravidar de Drake.

Outro exemplo é a faixa From Florida With Love, onde Drake relata um assalto a mão armada que sofreu em 2009. Quando inclusive perdeu uma quantia em dinheiro e uma jóia de diamantes que tinha sido um presente do seu então novo chefe Lil Wayne. Drake também trata de assuntos obscuros em uma faixa do álbum que foi muito bem maquiada para parecer uma inocente música dançante, mas falaremos disso mais tarde.

Teria Drake Entregado Pouco?

 

Caso você seja um grande fã do Drake, que está sempre ligado em tudo o que ele lança e tudo aquilo que vaza de suas sessões de estúdio, este álbum só te proporcionou 6 novas músicas. Apesar de alguns fãs acreditarem que a cena do rap atual esteja pedindo por álbuns curtos, que os álbuns de 20-25 faixas são intragáveis, um álbum aonde metade das músicas já foram ouvidas não é uma boa jogada.

Porém, era a chance de Drake mostrar aos fãs mais casuais músicas como Desires, War (com salve pro The Weeknd, OVOXO tá vivíssima) e Chicago Freestyle (Com homenagem ao deus do rap Eminem). É importante lembrar que embora Drake tenha levado esse álbum em um caminho mais pessoal, o marketing sempre estará presente.

Drake Deslizante

 
Drake 'Dark Lane Demo Tapes' Review: Cool Complacency - The Atlantic

Ok, chegou a hora de colocar o personagem de teorista da conspiração pra funcionar, mas a mensagem da qual eu vou falar não está escondida de trás pra frente ou oculta na capa do álbum (se bem q até o Drake tá oculto nessa capa), mas sim explicitamente dita em uma das músicas.

Não é de hoje que Drake vem usando um tom mais gangster em suas músicas, vimos isso no Scorpion com Mob Ties e I’m Upset e também na música Sicko Mode de Travis Scott.

A última de suas bandidagens está presente no hit da quarentena Toosie Slide. Embora a música contenha um ar “Alegre e dançante” temos letras como “Da próxima vez que nos encontrarmos, sua verdade será revelada, dois ou três dos meus vão te pegar de surpresa” Resta saber quem foi a mais nova vitima do Drake gangster.

Conclusão

E mesmo com um projeto que metade das músicas já estavam disponíveis, Drake consegue mais uma vez deixar sua marca. Só que dessa vez, finalmente priorizando qualidade sobre quantidade, Drake achou a medida certa para este álbum.

Devido as consequências que vieram a ocorrer no mundo, é muito improvável que este álbum tenha seguido a risca a visão que o Drake tinha quando citou no Rap Radar, porém a mágica está presente, e fica meu desejo pessoal de ver um álbum do Drake seguindo o mesmo conceito do Dark Lane Demo Tapes, com apenas músicas inéditas.

Escute a Mixtape na íntegra:

Deixe seu comentário para Crítica: Dark Lane Demo Tapes – Drake (2020)