Quer ser o primeiro a saber sobre novos conteúdos?

Depois de 1 ano esperando (e de 4 anos de todo mundo dizendo que DCEU/Arrowverse podia ser uma coisa só), finalmente o crossover aconteceu. Desde a primeira temporada de Flash, eles falam sobre a tal “Crise”, e bem, aqui está ela. Mesmo os que não são muito fãs do Arrowverse pararam para pelo menos ler os spoilers desse acontecimento, então nada mais justo do que eu, como apreciador de todo o universo, trazer uma crítica dele

Antes de começar, para deixar claro. Caso alguém queira ver os episódios entendendo o mínimo do mínimo, é preciso assistir:

– O crossover de 2017, Crise na Terra-X;

– O crossover de 2018, Elseworlds, já que ele é quem dá a base de todo o plot desse;

– É recomendável ver a oitava temporada de Arrow. Ela é curta (8 episódios até então) e ela é puramente um build para o crossover.

Vendo esses três itens, você já tem o conhecimento básico de tudo.

Agora, vamos ao review

A história em si não é muito complexa, principalmente se você tem a mínima noção da HQ, mas é muito boa. Conseguiram trazer muito bem (e de forma explícita) tudo que estava acontecendo. Claro que, se você não gosta do conceito de partes que o crossover é apresentado, pode parecer meio chato, mas acho que um “super episódio” não teria o mesmo buzz em cima, apesar de que aqui no Brasil a parte 2 do Crise (episódio de Batwoman) não ser disponível porque não sabem se a série virá pra cá.

Sim, se você está esperando pra ver dublado na Warner Brasil, fique ciente que da parte 1 pulará direto para a parte 3 (episódio de Flash). No dia que esse review irá ao ar (19/01) é a estreia do Crossver no Brasil, e eles já confirmaram a falta da parte 2. Enfim, erros da Warner a parte…

Eles desenvolveram muito bem a trama, as consequências das escolhas do Oliver em Elseworlds, as burradas que Barry fez em Flash, e também coloca todo mundo de Legend’s, Supergirl e Batwoman ambientado. Todos são importantes, mesmo que no último crossover não tenha dado tanta importância para todos. O mesmo vale para o plot do Monitor, foi bem resolvido e cozinham bem até explicar quem ele era e porque ele tem esse “fardo” de resolver a Crise.

Uma coisa que eu acho bom de citar é que eles resolveram uma situação de Elseworlds em relação a Batwoman, que não tinha ficado claro de qual Terra ela era, e isso ficou explícito no crossover. Não é um erro, mas eles se deram ao trabalho de deixar explícito para todo mundo entender.

Uma coisa ruim é a falta do Roy, de Arrow. Ele teve um bom desenvolvimento nas duas temps, e perto da Crise, fizeram um bom gancho, e eu acho que na Crise seria uma boa hora para colocá-lo e terminar isso da forma que todos sabem que vai acabar, mas eles optaram por segurar. Apesar de entender, eu queria que fosse logo no crossover, porque de “grandes acontecimentos solo” esse seria o mais importante, com toda certeza.

Quanto ao vilão, Anti-Monitor, ele é ok. Nada de impressionante, mas melhor que os Dominadores do primeiro crossover e o vilão de Elseworlds. Os twists da temporada em si relacionados a ele são feitas por outra personagem, e isso é bem feito, mesmo que perto dele ser revelado, fica um clima meio óbvio, ainda mais que as coisas pareciam estar bem encaminhadas até demais.

A entrada do Raio Negro no crossover foi simples, mas efetiva. Ainda mais que apesar de ser mostrado bem por cima, foi bem importante o episódio que mostra a entrada dele na história. Com o final do último episódio de Crise, fico curioso de como vão trabalhar a série dele nessa confusão de Multiverso.

Falando das Terras, e mais especificamente das participações de atores e atrizes de séries/filmes antigos da DC, eu gostei, mas acho que poderia ter sido melhor explorado, principalmente em relação as Terras. Sim, eu sei que não dá pra mostrar “infinitas Terras” no literal porque o orçamento não deixa, mas em algumas coisas eles poderiam ter mostrado melhor, ainda mais que vários personagens importantes são de outras partes do Multiverso.

Tirando essas partes, todos os convidados tiveram seu momento, e o meu favorito foi o de Smallville e o do Batman dos anos 60. O de Smallville foi o mais longo, e realmente mostra um fechamento de arco, o do Batman é só uma frase, mas é tão bom pelo contexto que você ri bastante.

Falando em participações especiais, os easter eggs e citações no geral são muito boas. Na última parte tem uma em cima da outra que se fosse um episódio só de homenagem, daria no mesmo. Eu particularmente adorei, mas é claro que os mais puristas vão se incomodar falando que “fanservice é pra esconder roteiro ruim“. Em especial, quando eles mostram “o que vem por aí” é lindo, é o que posso dizer.

Quanto as cenas de ação e CGI em si, eu não tenho do que reclamar. Os inimigos são coisas genéricas pra caber no orçamento? Sim, mas tem filme blockbuster aí em 2019/2020 que abusa do raio azul e não reclamam pro mesmo tanto, é incrível. É um pouco de má vontade das pessoas com as séries de TV, isso é óbvio. Eu não me incomodo tanto, acho que em casos das séries isolados, em Supergirl realmente eles têm que começar a investir mais, porque tá triste… Mas no geral, eu gostei do CGI.

A ação é padrão. São heróis batendo em bichos que são 1 hit = kill, então não dá pra pedir muito. Nas lutas contra coisas realmente fortes que são poucas, é bom. Nada espetacular. Talvez adicionaria umas lutas de verdade no lado da Batwoman, já que é a gimmick da Bat Family, mas não me incomoda se não tiver também.

Uma coisa que eu não citei no tópico acima, mas vou citar aqui. Sobre O cameo do crossover (quem viu, entendeu), é muito choro reclamar que foi “mal feito”, porque além de claramente o cidadão ter ido por amar o personagem, voltamos ao ponto inicial: NÃO É HOLLYWOOD!!!!

Eles fizeram do jeito que dava e assim, foi legal. Eles confirmaram tudo que falavam desde 2014, e cara, isso é ótimo. O público nerd é o único que consegue achar que menos é mais, e isso é um saco. Pelo menos UMA VEZ aceitem algo, porque depois a Warner volta aos good ol’ days com a forma de tratar a DC e volta todo mundo a chorar pela internet.

Enfim, rages à parte, não tem nada de realmente negativo para pontuar por aqui.

Conclusão

Depois de mais ou menos 2 anos esperando, eles entregaram o que eu esperava: Um bom produto que não só avança o Arrowverse, como quase tudo que a Warner/DC tem feito. Acho que além de tudo de bom que foi feito, as poucas partes ‘meh’ também vão ser desenvolvidas para uma melhora. Eu espero que dessa vez o cinema e a TV caminhem lado a lado, mas de um jeito bom.

Assistir tudo isso, após ver Arrow desde o começo, logo depois começar Flash, Legend’s e agora com Batwoman é sensacional. Muita gente falou do “feeling Guerra Infinita” que tinha até do pôster, e eu acho mancada falar isso de forma pejorativa, ainda mais vindo dos fãs da Marvel. É um puta acontecimento, do mesmo jeito que o MCU foi para o cinema. E eu espero que expandam ainda mais para mais momentos com aquele, e mais reviews como esse.

Obviamente recomendo, mesmo que você (como boa parte da bancada do site) ache o Arrowverse ruim, porque é realmente um acontecimento. Eu recomendo até os outros crossovers, porque mesmo o primeiro sendo simples até demais, é divertidíssimo de assistir.

Deixe seu comentário para Crítica: Crise nas Infinitas Terras (Arrowverse) – Sem Spoilers