Quer ser o primeiro a saber sobre novos conteúdos?

drake certified lover boy

Após diversas especulações, dois anos sem um álbum de estúdio e varias datas de lançamento não cumpridas, Drake nos traz seu novo álbum: Certified Lover Boy.

Um álbum que contém várias musicas, dos mais variados estilos possíveis! Temos: Drake pop, Drake debochado, Drake dancehall, Drake mandando shots, entre outras coisas.

Drake já havia nos dito em sua entrevista ao rap radar, que estaria trabalhando em um álbum pessoal, que fosse curto e que não tivesse muitos feats. Entretanto, visto ele segue trabalhando nesse álbum, pois Certified Lover Boy é o total oposto disso.

Com 21 faixas 13 artistas convidados e uma das piores capas de disco da historia da indústria, Drake nos entrega um produto que tenta agradar ao maior numero de pessoas possíveis, atirando para todo lado.

O Drake Romântico Vive:


Como o próprio titulo do álbum deixa a entender, Drake veio com a postura de Lover Boy que pavimentou o inicio de sua carreia, ou ao menos em parte das musicas.

Musicas como Champagne Poetry, Papi’s Home, e Race My Mind dão aquele gostinho de Take Care ao álbum, porém, musicas mais sérias e até um pouco agressivas como No Friends in The Industry, You Only Live Twice, e Knife Talk, dão certa balanceada na atmosfera do projeto.

Drake ainda achou tempo para fazer o que ele faz de melhor desde o videoclipe de Hotline Bling: debochar de si mesmo. A faixa Way 2 Sexy, que conta com a participação de Future e Young Thug, traz antes de tudo um sample de I’m Too Sexy de Right Said Fred, hino dos clubes de striptease americanos (foi o que me disseram…)

Flutuar entre tópicos era algo esperado para um álbum tão extenso, E Drake domina essa arte, ele consegue falar de uma garota que o deixou em uma faixa e na faixa seguinte falar sobre ter conexões com a máfia sem parecer fora de
lugar.

Além disso, Drake também variou bastante na escolha de seus feats, e não foram poucos.


Drake e Seus Amigos:

Certified Lover Boy conta com um total de 13 participações especiais, que foram anunciadas de uma forma bastante original. Drake espalhou diversos outdoors em lugares estratégicos para anunciar que um artista daquela cidade estaria no álbum.

Com certeza uma das maiores surpresas foi a presença de Jay Z no projeto, o rapper já teve diversas diferenças com Drake além de ser o mentor do maior desafeto atual de Drake: Kanye West.

A faixa Love All (anteriormente conhecida como lotta 42) traz Drake falando sobre como as pessoas mudaram com ele e sobre como ele não tem amigos na indústria (algo que ele vai voltar a falar logo em breve).

Já Jay nos apresenta um verso no mínimo vago, onde não fica muito claro sobre quem ele está falando, podendo até não estar falando sobre ninguém em especifico.

Outra faixa digna de ser comentada é Girls Want Girls, que conta com a participação de Lil Baby. Depois de Yes Indeed e Never Recover, temos outro grande acerto da dupla Lil Baby e Drake, com Baby distribuindo barras em um
flow intenso enquanto Drake vem em seu melhor estilo melódico nos dando o que pode ser a melhor linha da historia do hip hop.


“Say that you’re a lesbian girl me too” (Você diz ser lesbica, garota eu também).

Drake

Não podemos deixar de falar sobre o que em minha opinião é a melhor faixa do álbum, apesar de ter tido metade vazada em 2020, Fair Trade ainda conseguiu causar certo impacto no álbum, com frases perfeitas para usar em legendas no instagram.

Aubrey dá mais um testemunho sobre o fato de que ele não tem amigos reais no jogo e sobre como ele vê todos que trabalham com ele apenas como negócio e por isso não se apega a amizades. Tudo isso com a participação de Travis Scott, que desde o If You’re Reading This Is Too Late vem sendo recorrente nos álbuns do Drake.

Outra surpresa foi a presença de Kid Cudi no projeto, o rapper que já havia se desentendido com Drake no passado marcou presença na faixa IMY2, a musica apresenta uma intro com o falecido rapper Juice WRLD e segue a linha de
musicas para se ouvir ao estar sofrendo do Drake.

Então as presenças de Jay Z (Mentor do Kanye West), Travis Scott e Kid Cudi (Descobertas do Kanye West) no álbum podem ser um indicativo de que finalmente está se construindo uma ponte entre Drake e Kanye certo?

ERRADO.

Drake E Seus Inimigos:


A mais ou menos uma semana tivemos o lançamento do também aguardado álbum Donda de Kanye West onde como já cobrimos, Kanye deferiu vários ataques a Drake, bem… Chegou a hora da resposta.

Drake dedicou duas faixas inteiras de seu álbum, No Friends In The Industry e 7 AM On Bridle Pole para distribuir ataques ao Sr West, desde falar sobre seu grupo gospel que o deixou, passando pela clássica sequencia de tweets de Kanye para Drake, chegando ao clássico “olha… talvez eu tenha pego sua mulher”.

As faixas não citam nomes, os ataques só são percebidos por quem acompanha essa longa (e cansativa) novela há um tempo, e essa é a postura de Drake desde o começo, brincar de “talvez eu tenha dito, talvez não” com o Kanye (que já não tem lá todas as suas faculdades mentais no lugar).

Mas com ataques, parcerias e capas horríveis a parte, qual a marca deixada por Certified Lover Boy?

O Fim da Espera:


Após três anos de seu ultimo álbum de estúdio, muito se perguntava qual seria a postura de Drake nesse álbum. É inegável que o marketing foi infinitamente inferior aquele feito para seu ultimo álbum o Scorpion, tendo tido pouco menos de duas semanas desde o anuncio de sua data até seu lançamento.

Talvez, por já ter tido outras datas não cumpridas, ou talvez por querer evitar expectativas ou ainda talvez pra causar algum tipo de confronto com o lançamento de Donda, existe uma lista de possíveis motivos para a falta de
divulgação do álbum, mas uma coisa é certa, Isso ajudou o Drake.

Eminem já nos ensinou que álbuns com pouca ou nenhuma divulgação, evitam possíveis decepções por parte do publico, e Certified Lover Boy é mais uma constatação desse fato, deixar as pessoas imaginarem o que pode acontecer, pode ser um dos maiores erros a ser cometido, um exemplo.

Durante adivulgação do Scorpion, Drake divulgou um outdoor que dizia. “Fashion week is more your thing than mine” (Fashion Week é mais o seu negocio do que o meu) Muito se esperou que devido a referencia a moda, essa fosse parte da lendária Diss de Drake a Kanye que nunca saiu, mas como vimos esta acabou a se revelar como Finesse, uma musica aonde o Drake chora por umas quatro moças diferentes.

Conclusão

Sem revelar feats, títulos, ou letras, o novo álbum de Drake chegou aos nossos ouvidos sem muitas expectativas, nos deixando menos exigentes e fazendo com que uma musica como Way 2 Sexy se tornasse um bom alivio cômico durante o álbum.

Embora não sente na mesma mesa que Nothing Was The Same e Take Care, Certified Lover Boy se mostra um álbum consistente com vários momentos altos em seu longo (bastante longo) decorrer.

Escute Certified Lover Boy, de Drake no Spotify:

Deixe seu comentário para Crítica: Certified Lover Boy – Drake