STAR WARS - Os Últimos Jedi [REVIEW/DESABAFO]

Star Wars - O Despertar das Frustrações.

Star Wars - O Despertar da Força necessitava ser um "filme seguro". O próprio JJ Abrams disse isso, eles precisavam jogar seguramente. Era o primeiro filme com a ausência total de George Lucas, que fez uma segunda trilogia inteiramente odiada pelos fãs. Eu por exemplo realmente odeio os Episódios I e II, mesmo considerando as batalhas de sabre de luz maravilhosas, mas o roteiro é péssimo e intragável. Era o primeiro filme com a ausência do Pai da Saga, e precisava pôr ordem na casa: corrigir os erros da nova trilogia usando cenários reais e menos CGI, tirar aquele roteiro sem sal e sem graça com romances intragáveis e personagens ruins. Além é claro de criar referências e fan-services aos filmes antigos, re-introduzir personagens clássicos e prestar homenagens à esses ícones. A união desses pontos gerou uma grande celebração ao legado do primeiro Star Wars de George Lucas.

O Episódio 7 utiliza o Uma Nova Esperança como base do roteiro, trazendo de volta ícones clássicos, introduzindo novíssimos personagens misteriosos e imperfeitos. Além de novas tramas. O Despertar da Força me emociona desde ter visto no Cinema até hoje, depois de ter revisto várias vezes. Um filme lindo e honesto com suas pretensões, que deixou o diretor Rian Johnson com a faca e o queijo na mão para criar o Star Wars mais audacioso e espetacular da nova trilogia.

s3-news-tmp-116055-tfa_poster_wide_header-1536x864-959818851016--2x1--940

Frustração, Covardia e Problemas.


Mas o resultado foi tão frustante, tão frustrante que eu não consigo descrever de maneira ideal. Defensores do filme, alegam que o filme foi o mais pretensioso e corajoso de toda a franquia. Mas se essa coragem foi subverter aqueles mistérios gostosos que fizeram a cabeça de diversos fãs durante 2 anos em momentos totalmente anti-climáticos e umas side-quests e tramas que são cansativos entre outros aspectos problemáticos... Essa ousadia falhou miseravelmente, muito. Me distanciou impressionantemente de Star Wars, acabou com o interesse pelo futuro de Star Wars. Que feito fantástico.

A tecla que eu vou bater na maior parte deste texto foram a maneira que o Rian Johnson tratou toda a parte mais original do Despertar da Força. Todos os seus mistérios foram muito mal geridos durante todo o filme. E nas partes em que demonstrava um filme pretensioso o  cara dá um tapa na cara do fã. Exceto em uma parte específica que ficou muito foda, que será tratada mais à frente. Isso gerou num gosto amargo depois de ter saído da sala de cinema, um filme que diverte muito menos que O Despertar da Força e o Episódio 7 tem problemas de roteiro mais evidentes.

Como o Despertar da Força foi a base para o resto da trilogia, que já estava consolidada, era hora de arriscar, ser inovador e ter um roteiro diferenciado... E no fim entrega um control c + control v do Império Contra-Ataca e do Retorno do Jedi. Principalmente do segundo. Meu primeiro susto quando assisti o filme foi aquele texto inicial, eu lia aquele letreiro com a música clássica da Saga e era uma combinação de sentimentos gigante. Foi difícil assimilar a emoção do início de mais um STAR WARS com o que estava descrito no prefácio. Em resumo: A situação era idêntica, IDÊNTICA ao Império Contra-Ataca. Sem tirar nem pôr. E isso se repete em 2 arcos da história.  No último que se distanciou da repetição foi o Arco do Finn, que foi o mais desnecessário possível e um atestado de que o roteiro estava perdido com ele. Não se sabia o que fazer com o Stormtrooper.

Além de desconstruir o personagem, a Side-Quest que o colocaram há defeitos exatamente iguais aos dos prequels. CGI Forçado, trama sem o menor interesse e abarcando temas que Star Wars não consegue desenvolver bem. Uma das maiores gorduras do filme, e olha que Os Últimos Jedi tem muita gordura.

O arco da fuga dos Rebeldes da Primeira Ordem me parece muito com "o trecho do Império Contra-Ataca que não foi explorada". A fuga de fato da Resistência contra os destróieres inimigos. No Império, somente abordou a Millennium Falcon, quando tinha muito mais Rebeldes de fato. Eu não tenho tantos problemas com essa parte de Os Últimos Jedi, até por introduzir uma boa personagem nova, que não é muito necessária, mas mesmo assim gostei bastante de Holdo, a mulher de cabelo roxo que substituiu a inconsciente Léia. A relação dela com o Poe é foda. O piloto de X-Wings é o único (ou um dos poucos) que realmente cresce como personagem devido ao maior espaço na tela. Gostei bastante desse rapaz, muita presença, bom ator, bom personagem... Nada a reclamar.

Amilyn-Holdo-The-Last-Jedi-Featured-10182017

Mas a Princesa Léia... Ah Rian Johnson, o que você tem na cabeça cara? A cena que o Kylo Ren arrega de assassinar a própria mãe e o resto da Primeira Ordem faz o serviço de atirar na nave da General é patética. Pelo menos a General Organa honra o nome Skywalker, vagando o espaço usando a força. Bom, que cena forçada meu amigo. Era a oportunidade de colocar um espaço dramático e fazer metade das salas de cinema chorar copiosamente com o fim desse ícone. Mas novamente Rian desperdiça sua oportunidade e faz algo meia-boca e quase vergonhoso.

Tirando a relação entre os personagens nessa parte do filme, o conceito dessa perseguição da Primeira Ordem é problemática. Eu recomendo muito esse trecho do vídeo do Izzy Nobre, onde ele conta todo o erro dessa concepção da perseguição dos destróieres da Primeira Ordem aos Rebeldes. Eu até coloquei o vídeo no momento exato da explicação, aos 3:30.

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=w5Zls1Rx_hA?start=210&w=560&h=315]



Rey Skywalker - Merecia um tratamento melhor.


Ah a Rey... A menina que apaixonou o mundo com todo o seu passado tão misterioso quanto sua personalidade. Ela não vai mal, mas pelo menos as falas da Daisy Ridley estão bem robóticas, mas nada que atrapalhe, já que o arco dela é legal e sua conexão com Kylo Ren é diferente e interessante. Só tem aquele estranhamento inicial que é normal, mas é muito boa a interação dos dois pela Força. Mas é uma pena que ele se converte para um control C + Control V MAIOR que a Star Killer do Episódio Passado. Simplesmente a Rey vê bondade no Kylo Ren e se rende à Primeira Ordem para tentar a sua redenção, enquanto tudo isso é um plano para o Imperador atrair Rey para perto dele e concluir seus objetivos. Exatamente igual ao Retorno do Jedi. Me ajuda a te ajudar, Rian Johnson.

Quando Ben Solo impediu que o sabre de luz fosse até Rey, não se unindo à ela e demonstrando sua verdadeira aspiração eu respirei aliviado como nunca fiz vendo qualquer outro filme. Aos 45 do segundo tempo, uma fagulha de esperança.  O Cosplay da Redenção do Vader não foi executado em 100%, só em 80, rs.

E sobre a Rey ser filha de ninguém: Eu até aprovei essa decisão. Mas... foi entregue de maneira muito ruim, anti-climática, como quase todas as decisões de mistérios. Por mais que aprove a Rey não ser filha do Luke ou Han solo meio que joga fora todas aquelas reações da Léia, Han e do próprio Luke quando olhavam a protagonista no episódio passado. Parecia que eles a conheciam, mesmo que não fossem parentes. É só olhar as cenas do Solo com a Rey e nota-se que há uma história por trás disso, e esse mistério nos enche os olhos. Mas é uma tristeza que não foi tão recompensador quanto parecia.

Talvez eu esteja me contradizendo mas... é isso.

Kylo_Ren_duels_Rey

Luke Skywalker - Ponto final.


Já que estou no modo desabafo, é melhor chutar o balde de uma vez: Quem escreveu e autorizou a cena dele jogando o sabre de luz como se fosse um saco de merda tem que ser preso.  Eu gostei e aplaudi a ideia do Luke ter sido um covarde, que depois de ver um padawan cedendo ao Snoke se escondeu na galáxia para refletir sobre seus erros. E interessante achar que o mito que criou sobre ele não é tudo isso. O sabre que estava com ele no momento mais importante da família Skywalker, o mesmo sabre que foi do Anakin Skywalker e dado pelo Jedi de maior carinho, Obi Wan Kenobi foi tratado de maneira criminosa. Luke não tinha o direito de ter feito aquilo.  Foi um desrespeito total com a história dele, do pai dele e com a própria série. Rian Johnson jogou para a casa do caralho um dos maiores arcos dramáticos de toda a Saga: quando a Rey ergueu o braço e mostrou o primeiro sabre para o Luke.

Repetindo: A ideia do que transformaram o Luke foi boa, mas a execução foi uma acinte. Ele poderia muito bem segurar o sabre e devolver para a Rey, ou sentir que o peso do Mito que estava sob suas costas era demais e ter deixado o sabre cair com mais dramaticidade. Foi sacanagem com qualquer fã o ato de jogar como se fosse qualquer coisa, por qualquer justificativa que fosse.

O segundo ato imperdoável foi o Luke cogitar a MATAR um padawan, indefeso, DORMINDO. Isso é inacreditável para o mesmo Luke que teve toda a jornada do herói que conhecemos. O roteiro ta de sacanagem com a minha cara. O cara cogitar a assassinar o seu sobrinho, que também tem o nome Skywalker, o filho do seu melhor amigo, que salvou a vida dele no Episódio 4. E nada pode justificar também, nem que ele já foi tentado ao lado sombrio. Que coisa injustificável. Tinha várias formas melhores de demonstrar que o Luke não acreditava ser o herói que foi , cogitar assassinato de familiares e jogar o sabre dele e do seu próprio pai não são dessas.

luke-skywalker-main_5a38c454_461eebf5

Phasma, Snoke  e BB-8: Pecando Pelo Excesso... Pecando pela falta


Star Wars - Os Últimos Jedi inaugurou uma forma de composição de saídas de roteiro: O BB-8 Ex Machina. Há uma overdose de soluções e cenas com ele. No Despertar da Força a participação do dróide foi muito melhor dosada, deixando que o espectador não se cansasse de vê-lo. Mas ao que parece, para deixar o filme mais comercial, colocaram cenas demais com ele. Encheu o saco do BB-8 na tela fazendo de tudo, e participando do climax do Arco do Finn, com um deus ex machina duro de aturar. O Arco do Finn realmente foi muito cagado.

Vou contar uma historinha para você: Teve uma empresa, que chegou a lançar uma HQ para surgimento de uma personagem, antes tinha contratado uma atriz cheia de talento e prestigiada, deu um uniforme totalmente diferenciado e prometeu bastante no inicio da trilogia. O outro o que teve de fanfic para desvendar o misterioso e um dos mais fortes de toda a galáxia. Todos tiveram suposições grandes, chegaram a lançar um livro sobre o mesmo. Os 2 personagens foram descartados de maneira canalha.

Snoke e Phasma foram as maiores decepções (em relação aos novos personagens). Entre os antagonistas, eram 2 extremamente promissores, onde investiram muito deles. E foram descartados aleatoriamente porque foda-se.

Eu perco até o ânimo de falar desses 2, uma das piores decisões de toda a saga, até porque transformar no Luke no que ele se tornou tem até alguma justificativa. Essa decisão de eliminar 2 personagens importantíssimos e com um mistério enorme por trás da maneira mais aleatória possível não tem o menor fundamento. Isso o que eu chamo de surpreender negativamente. Incrível como Snoke e Phasma tem visuais tão descolados e impactantes e foram descartados pra nada.

Desperdício.

maxresdefault (3)

Entre um mar de problemas... Algumas virtudes


Eu quero ressaltar aqui. O filme é bom. Ele não chega a ser um filme horroroso como A Ameaça Fantasma e Ataque dos Clones. Mas tem alguns momentos que me emocionaram, fizeram o coração bater mais forte. Principalmente no terceiro ato, quando aparece a projeção do Luke em frente à sua irmã gêmea e beija sua testa... Que momento. Ele vai lá e enfrenta toda a primeira ordem, e logo após o homem que quer ser tão forte quanto seu pai. O sobrinho que tentou matar antes. A frase de efeito do Luke é de tirar o fôlego. E a cena dele olhando para o pôr do sol, assim como sua cidade natal é feita com tanto cuidado. Impossível não se emocionar.

Além disso, o próprio Kylo Ren participa bem do filme. Ele é o primeiro vilão cinza da Saga, quando não se uniu à Rey eu achei fodastico. E finalmente o seu futuro está totalmente imprevisível. Eu não faço a menor ideia do que esperar. Ele é um cara que quer destruir a primeira ordem, mas também a Resistência. Achei um ponto muito bom pro personagem.

Star Wars  - Os Últimos Jedi prometeu a expansão e consolidação da nova trilogia da saga épica. Mas quase se transforma num filler, erra feio em diversas decisões e copia muito o Império Contra-Ataca e o Retorno do Jedi.

Eu fiquei bem  triste com a grandeza que esse filme não, frustrado, mas não deixa de ser um bom filme, mesmo cheio de problemas e muito menos divertido.

Nota: 3/5.
STAR WARS - Os Últimos Jedi [REVIEW/DESABAFO] STAR WARS - Os Últimos Jedi [REVIEW/DESABAFO] Reviewed by Adao Filho on dezembro 23, 2017 Rating: 5

Um comentário

  1. […] WARS – Os Últimos Jedi. Tudo o que você precisa saber sobre essa frustração foi escrito nesse artigo. Lembrando que o filme é bom, bom mesmo. Mas todos os motivos de ser tão decepcionante foram […]

    ResponderExcluir