Metallica - Hardwired... To Self-Destruct: A Resenha Definitiva


O Metallica demorou 8 anos pra lançar um novo álbum, sem contar as sobras do Death Magnetic em 2011 e o Lulu lançado no mesmo ano.

Em 2014, a banda lançou a música Lords of Summer que já dava um sinal de conservadorismo do Metallica com o Death Magnetic. O álbum de 2008 ficou rotulado de "volta as origens", o que é longe disso, aquilo é quase um Metal Moderno que foi popularizado por Bullet for My Valentine, Rev Theory e Avenged Sevenfold.

As caraterísticas do DM foram basicamente: Guitarras Elétricas robotizadas, músicas gigantes.

O Hardwired... to Self Destruct tem muito disso, mas não é um Death Magnetic 2, é mais que isso. O mais próximo de Death Magnetic que tem são as linhas de guitarras computadorizadas e o Wah Wah robotizado de Kirk Hammet.

O Metallica costuma em TODO album inovar, experimentar. Album para Album (mesmo com a fórmula de criação usada nos 4 primeiros discos e no Reload) , todo album tem sua cara própria já estampada, suas características. No Hardwired, a única coisa nova talvez seja o efeito da voz de James Hetfield, que faz o cara ter uma performance muito foda ao longo do disco.

De resto, é uma exploração da própria história do Metallica, combinaram as linhas de Guitarra e Bateria do Death Magnetic com todos os albuns anteriores (com destaque para Load e Reload, onde há muita inspiração).

O CD 1, que com certeza é o melhor entre os 2, possui músicas muito boas, que superam facilmente todos os discos anteriores (Death, St. Anger, Garage Inc, Reload, Load). A primeira música, Hardwired foi a primeira amostra que eles aprenderam com um dos defeitos do Death Magnetic (músicas longas com repetições desnecessárias): Simples, pancadaria, gritos, solo simples e contagiante juntamente com o vocal do James.

Observem um suposto easter egg: https://www.youtube.com/watch?v=ryONkmyd0ZU (here comes revenge), coloquem 1:09 e https://www.youtube.com/watch?v=QMoymZgHRew (thorn within) exatamente 1:09

Outra correção feita ao Death magnetic: As músicas do DM abusam muito fácil, Broken Beat Scarred e All Nightmare Long por exemplo. Elas não evoluem musicalmente, ficam "presas", apesar de ser ótimas escolhas para conhecer o metallica. As músicas do Hardwired (mesmo algumas inferiores ao Death Magnetic) não enjoam tanto, porque deram liberdade para elas.

O resto das músicas do CD 1 possui um retrato bem próprio e bem diferente umas das outras, mostrando essa exploração do metallica nele mesmo e em outras bandas (como Atlas Rise, que teve uma clara inspiração de Iron Maiden).

Uma pequena nota sobre as músicas do disco 1: Moth Into Flame é excelente, possui seu riff Catch que gruda na cabeça,  vocais melódicos excelentes de James. Now That We're Dead mostra porque a simplicidade é a melhor sofisticação: Riff Simples, Bateria criativa e que logo logo a pessoa fica com ela na cabeça, e vocal excelente de James.

Nessa leva, os caras conseguiram produzir uma das melhores músicas de sua história: Halo On Fire, uma combinação de Fade To Black, com o vocal Melódico do Load e Guitarras do Death Magnetic. James usa e abusa do vocal, provando ser um dos mais talentosos do mundo.

Sem dúvida Halo estaria no meu top 15 músicas do Metallica, mesmo tendo 8 minutos (e extremamente bem aproveitados).

O CD 2 talvez seja o ponto fraco do HTSD. Possui músicas mais genéricas, como Manunkind, Murder One, que são abaixo do nivel do Death Magnetic, e outras do mesmo nível : Confusion e Am I savage (essas eu gostei bastante, mas que são genéricas, são). Você percebe que Manunkind, Murder, Savage possuem a mesma fórmula: uma introdução mais cadenciada para mostrar uma falsa melodia. O Metallica realmente encheu linguiça com essas músicas, faltou inspiração.

Apesar de que Savage eu gostei bastante principalmente por causa do solo e do pré-solo. Kirk Hammett foi muito criticado pelos solos chatos. E concordo em parte. Apesar de alguns solos do CD 1 ficarem bons, Am I Savage ter ficado ótimo também, Kirk pode ter sido mais fraco por que não participou ativamente da criação do álbum. Alguns boatos falam que ele passou o maior tempo na reabilitação por causa da maconha.

Por fim: Spit Out The Bone, foda, alegra o coração dos saudosistas do "Metallica Morreu no And Justice For All". Junção de Justice, Kill e Death Magnetic. Claramente a melhor do CD 2.

Conclusão: Um trabalho muito bom, melhor que os albuns anteriores. Foi uma exploração do metallica na sua história e nas bandas mais influentes como Iron Maiden e Black Sabbath. Alegra o coração dos fãs saudosistas e daqueles que gostam do material mais moderno, os únicos defeitos são 2 ou 3 músicas do CD 2 onde faltou mais inspiração.

Nota: 7.8
Melhor Música: Halo on Fire
Pior Música: Manunkind ou Murder One
Metallica - Hardwired... To Self-Destruct: A Resenha Definitiva Metallica - Hardwired... To Self-Destruct: A Resenha Definitiva Reviewed by Adao Filho on março 10, 2017 Rating: 5

Um comentário

  1. Gostei muito desse último álbum do Metallica.
    Metallica sempre arrasando.
    Abraço

    ResponderExcluir